O que rafting, chocolate e amor têm em comum?

Que o rafting é uma aventura para ser vivida com pessoas que amamos, nós já dissemos por aqui. Mas qual seria a explicação científica para isso? 

Por que desejamos estar em contato com quem amamos em momentos incríveis em meio a natureza? 

Atualmente temos vários cientistas que se debruçam sobre os aspectos evolutivos do amor e como esse sentimento nos auxiliou na nossa sobrevivência como espécie.

No Livro – Neurociência do Amor – do Dr. Fernando Gomes Pinto ele explica:

“… O homem tem capacidade cerebral suficiente para experimentar o amor, a emoção mais nova do ponto de vista evolutivo. Conforme a teoria do cérebro “triúnico”, elaborada na década de 70 pelo médico e neurocientista Paul MacLean, o cérebro humano é organizado em camadas que constituem três unidades funcionais Cada camada surgiu ao longo da evolução das espécies. A camada mais interna é a mais antiga e primitiva, denominada cérebro reptiliano, em alusão a estrutura cerebral e os gânglios de base. É responsável pela defesa do território. A camada intermediária, mais nova, envolve o cérebro reptiliano e é conhecida como sistema límbico ou cérebro emocional. Ela tem relação com os processos de memorização, olfação e experiências das emoções. E, por fim, há a camada mais recente e superficial, conhecida como neocórtex, que está presente nos mamíferos superiores, sobretudo nos grandes primatas, com destaque no Homo sapiens sapiens. Esta última camada nos faz mais poderosos e capazes de sentir o amor e perceber que ele é bom. Torna possível praticar o altruísmo de maneira consciente e entender a importância deste texto que você está lendo agora. O principal objetivo do amor é a evolução e manutenção da vida, pois, na natureza, as espécies de vida coletiva têm mais chances de sobrevivência. …”

No livro –“The pleasure instinct: why we crave adventure, chocolate, pheromones and music” [O Instinto do Prazer – Por que Clamamos por Aventura, Chocolate, Feromônios e Música] Gene Wallenstein, neurocientista, Ph.D., especialista em biologia das emoções, mostra como atos aparentemente desconexos como abraçar um filho, comer um chocolate ou viver uma aventura, por exemplo, um rafting no jalapão, desencadeiam um processo semelhante no sistema de recompensa cerebral e  aponta o papel essencial do prazer no desenvolvimento e na maturação do cérebro, podendo alterar conexões cerebrais que podem nos influenciar ao longo da vida.  

Já em “Rethinking the Anthropology of Love and Tourism” [Repensando a Antropologia do Amor e Turismo], o autor Sagar Singh conclui que, apesar de estudos iniciais mostrarem que turistas buscam atividades de aventura procurando uma onda de adrenalina, fatores estéticos, éticos e de segurança também fazem parte da natureza do turismo de aventura, que o turismo de aventura compartilha aspectos da natureza e cultura local e afinal o ambiente (estético) e a organização da segurança são tão importantes para o turismo de aventura quanto o sentimento de aventura em si.  

Portanto, podemos afirmar para você que vir ter uma experiência de rafting nos rios do Jalapão é algo único que vai despertar seu amor e gerar um prazer e despertar uma consciência que vai te auxiliar na sua evolução como SER HUMANO.

 

Rafting no Jalapão por amor!

Estamos espalhando o amor pelo mundo. Queremos proporcionar momentos incríveis para pessoas que se amem. Queremos promover energias positivas que nos façam pensar em momentos felizes com quem amamos. 

Procure mais amar do que ser amado. Aproveite. Esteja junto das pessoas que você ama, venha fazer rafting no Jalapão, uma Aventura para toda a família!

O Rafting Light no Rio Sono em São Felix do Tocantins é a atividade ideal para você fazer com toda a sua família e estar ainda mais perto das pessoas que você ama. Agende agora mesmo.